Denúncias: Buracos na via do meu Brasil, como ressarcir o prejuízo.

Compartilhe isso:


No período de chuva, aumenta o número de buracos e também o de motoristas prejudicados.

“Voltando do serviço, escutei o estalo no pneu. Já deu esse batidão. Sorte que tinha um lugar para remendar aqui”, diz um homem.

“Não vi buraco nenhum quando vi que a minha roda tinha estourado”, conta uma mulher.

Quem roda pelas ruas e avenidas de uma cidade nem sempre consegue prever o perigo. De repente, o motorista encontra pela frente um buraco que tem quase um metro e meio de profundidade. Cair com o carro nessa verdadeira armadilha é prejuízo na certa.

Não são apenas danos materiais. O vigilante Jean Daniel da Silva está há vários dias sem trabalhar depois que bateu com a moto em um buraco. O conserto vai custar R$ 1,8 mil e ainda ficou com a bota e jaqueta de couro rasgadas.

“Essa jaqueta aqui é a responsável por eu estar em vida hoje. Sofri lesão no joelho, um politrauma leve na mão. Será necessário uma intervenção cirúrgica”, conta o vigilante Jean Daniel da Silva.

E quem paga essa conta toda? Há quatro anos, o ferreiro João dos Reis Dourado fez essa pergunta quando caiu de bicicleta em um buraco, fraturou a face em várias partes e ficou seis meses internado. Ele decidiu, então, processar a prefeitura e ganhou o direito a uma indenização de R$ 15 mil.

“Deu causa ganha já por causa das fotos que eu tirei do buraco, do rosto, tudinho. Ainda não recebi o dinheiro, porque diz que tem que esperar a prefeitura liberar”, conta.

Quem sofre um acidente por causa de um buraco pode recorrer à Justiça. Para isso, existe um caminho a ser percorrido. Primeiro é preciso registrar boletim de ocorrência; depois reunir as provas: fotos do local do acidente, do buraco e das condições do veículo; conseguir testemunhas. Em seguida, é preciso providenciar pelo menos três orçamentos. Em caso de ferimento, contam também laudos e receitas do médico.

“Procure alguém para se informar. Ou um advogado de sua confiança, ou o servidor de Defensoria Pública para que ela possa tomar as providências, inclusive em relação às provas, de uma maneira orientada para que ela possa apresentar ao juiz a ação da melhor forma possível”, explica o advogado Flávio Perboni.

Se o buraco estava em área urbana, a ação deve ser contra a prefeitura, responsável pela conservação das ruas. No caso de rodovias privatizadas, a ação é contra a concessionária.
Se forem estradas públicas, a ação é contra o responsável, que pode ser o governo estadual ou federal.

Geraldo Souza

Meu nome é Geraldo Souza e sou caminhoneiro há mais de 30 anos. Por isso, aos 58 anos de vida, decidi contar nesse blog as minhas experiências vividas em milhares de quilômetros percorridos Brasil afora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *